Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

De Repente Já Nos...40!!!

O Lado B da Vida

De Repente Já Nos...40!!!

O Lado B da Vida

Essa Raça Estranha

Abrindo parênteses ao meu post anterior onde festejei uma França sem um líder de extrema direita e a toda uma vida de simpatia e defesa pelos pobres e oprimidos, confesso que ando a virar um pouco xenófoba.

 

Não falo de imigrantes, nem de refugiados, nem das etnias que vivem neste país que é de todos.

 

A minha xenofobia começa a manifestar-se (só e apenas) quando me deparo com essa raça que anda a invadir cada vez mais as ruas da minha querida Lisboa, e que antigamente estava confinada aos Algarves, a Raça Turista.

 

A Raça Turista, é uma raça cujos elementos têm uma curta longevidade mas que provoca sérias mutações.

 

Só este fim de semana, quando precisei de andar em Belém de forma desembaraçada, é que reparei que a Raça Turista não anda, ela arrasta os pés. Move-se em bando ocupando todo o passeio e anda a um décimo da velocidade considerada normal.

 

É aqui que percebemos que esta nova raça também habita uma dimensão diferente a nível espaço-temporal, eles não se apercebem que existe mais gente à sua volta. Podemos gritar "com licença", "excuse me" ou tentar dar uns encontrões, que eles não se movem. Só conseguimos passar por eles se tivermos a sorte deles mudarem a direção do seu bando ou se houver forma de os contornar. 

 

E isto porque entram facilmente num estado de hipnoze. Tudo é "Very typical" e "Oh que c'est beau", nem que sejam banais bolas de Berlim e pães com chouriço do Pingo Doce. Ainda hoje queria sair das instalações deste supermercado no Cais do Sodré, onde há uma banca exterior de venda de bolos e salgados e tinha uma turista debruçada à minha frente hipnotizada pela comida e com uma mochila que igualava o seu tamanho às costas que impedia qualquer tentativa de saída do local.

 

Outra das características desta raça, é que pensam que o mundo é uma colónia inglesa e que este é o único idioma falado onde quer que se dirijam.

Aprender um "Bom dia", "Obrigado", ou começar uma conversa com um sorriso envergonhado pedindo desculpa por não falar português ou tentando saber se nós falamos inglês é coisa que não lhes passa pela cabeça. Põem-se a falar inglês e pronto, nós é que temos que nos desemerdar para os entender ou passar vergonhas se não o conseguimos. E o pior é que isto pega-se, muitas vezes chegamos a uma loja ou pastelaria e somos recebidos em inglês.

 

E concluindo o meu estudo, a Raça Turista, é uma espécie invasora, estão por todo o lado. É impossível andar na rua sem se tropeçar num deles ou sem ter os nossos recantos preferidos atolhados com turistas em "peregrinação", tornando tudo num cenário semelhante ao Santuário de Fátima no dia 13 de Maio. Às vezes acho que não era a população de pombos que devia ser controlada mas sim a de turistas.

 

Dito isto, de vez enquando sinto umas ganas de esbofetear alguns. Desculpem-me a violência (que é só mental) porque sou uma pessoa de paz e amor mas tenho os meus momentos mais negros também.

 

Na volta é só dor de cotovelo por não ser eu a turista a vaguear por aí .

 

Turista.jpg

 

14 comentários

Comentar post