Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

De Repente Já Nos...40!!!

O Lado B da Vida

De Repente Já Nos...40!!!

O Lado B da Vida

Da Dança E Da Capacidade de Se Entregar

Com muitos intervalos lá pelo meio, já devo ter praticado dança durante uns 15 anos bem contados.

 

Durante este tempo tenho dançado quase sempre modalidades que se praticam de forma individual.

 

Há 10 anos fiz uma incursão pelo Tango que só durou 3 aulas e vi o quão difícil era dançar a par, porque como eu já desconfiava sabia, não sou mulher para me deixar conduzir. O par puxava-me para um lado mas eu queria ir para o outro, não resultava. Como o prof era um argentino de sangue quente, aquilo acabava com ele bastante mal disposto com o meu desempenho e comigo bastante frustrada.

 

Este ano lectivo voltei à dança a par. E qual não foi o meu espanto quando meti conversa com colegas minhas e percebi que se queixavam do mesmo.

Afinal o problema não é só meu. Aquelas com quem falei também me confessaram que têm problemas em deixar ir pois também querem controlar tudo.

 

Sempre quis ser bastante controladora da minha vida e defensora das minhas ideias e ideais. Isto aliado às "chapadas" que levei sempre que dei confiança a mais e resolvi entregar-me aos outros ou mesmo à vida, levou a que me tornasse numa pessoa bastante defensiva e fechada, com poucas características para dançar a par e deixar-me levar por desconhecidos.

 

Desta vez não desisti e agora que as coisas começam a aquecer, ou seja, a dança começa a complicar é que as minhas "fragilidades" se começam a notar. O grande problema é relaxar ao ponto de me deixar ir.

 

Mas no meio da última aula com a complicação dos movimentos, com os incentivos de quem não desistiu de mim, com as constantes indicações de "relaxa", que remédio tive se não abandonar-me. E por segundos, porque quando troquei de par a magia esfumou-se e acordei, finalmente senti e percebi a simplicidade e a beleza do "deixa andar", neste caso do "deixa dançar".

 

É. A Dança é como a vida. Às vezes é preciso voltar a confiar, abandonar, e consentir ser novamente guiada.

 

salsa-gd.jpg

 

 

 

 

12 comentários

Comentar post