Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

De Repente Já Nos...40!!!

O Lado B da Vida

De Repente Já Nos...40!!!

O Lado B da Vida

Os 40 E os Grupos

Se até aos 30 anos é fácil andar em bando, aos 40 a coisa torna-se mais difícil.

 

Adorava organizar jantares cá em casa mas hoje em dia, não sei se por preguiça ou se por falta de paciência para certos cenários, a vontade foi-se.

 

Ora veja-se. Organizei alguns jantares cá em casa até que...

 

um amigo engraçou com uma amiga que acabou por não lhe dar muito troco. Ela só queria mais um amigo, ele queria mais.

 

Depois tinha amigos que conheci a nível profissional que se incompatibilizaram com outros colegas com quem eu também me dava bem.

 

E para concluir, a partir dos 30 as personalidades tornam-me também mais fortes e intolerantes e certos amigos, ao não gostarem do feitio de outros amigos, já não estão para fazer fretes.

 

Resultado, na casa dos 30 comecei a ouvir coisas que mais pareciam saídos da boca de adolescentes: "Se o não sei quantos for ao jantar eu não vou".

 

Resultado, fartei-me de grupos. Hoje opto por sair individualmente com certas pessoas por um lado e reunir-me com duas ou três pessoas que ao menos se toleram, por outro.

 

Perto de fazer anos, já decidi que vou repartir o dia em 3 para não estar com stresses e ter que me esforçar para que haja um mínimo de união.

 

Isto só aconteceu comigo, ou com a idade também começaram a ter de "gerir" amizades?

Verão

Ontem fiquei admirada quando li que o verão ia entrar nesta madrugada.

 

Com o calor que tem feito e o flagelo do fogo, inconscientemente pensava já estar em pleno Agosto.

 

Nasci no verão e sei que é sempre tempo de férias, praia, passeios e convívio.

 

Desculpa verão mas este ano não queria que viesses, principalmente quente, seco e cheio de incêndios. A culpa não é tua mas neste momento não és sinónimo de alegria.

 

Que venham dias de chuva. Abençoada chuva.

 

transferir (1).jpg

 

Coisas Que Me Causam Estranheza

A quantidade de gosto  e adoro  que aparecem no Facebook quando um amigo anuncia a morte de alguém chegado. 

 

É que já está lá um emoji de tristeza. Acredito que a maior parte das pessoas não fique realmente triste por não conhecer a pessoa em questão mas sempre é mais coerente do que dizerem que gostam ou adoram.

 

Carregar no gosto pode ser preguiça mas dizerem que adoram é mesmo estranho. 

 

Deixem nos comentários um abraço apertado, um coração (aqui tem lógica) ou outras palavras. Não custa nada e mostra que estão mesmo atentos ao que foi dito e que estão com o amigo nesse momento, nem que seja virtualmente. Não é altura de reagir só porque sim.

 

 

Uma Imagem Vale Mais Que Mil Palavras

Não sei bem como explicar aquilo que quero transmitir. O mal que se passa no mundo não deve ser ignorado, fingirmos que não existe, ser escondido. 

 

Mas choca-me ver fotos como aquela que o ano passado ganhou o World Press Photo (resolvi não a publicar aqui), terem o impacto que aquela teve. "Ganhar", ser divulgada por todo o lado.

 

Parece que o mundo, principalmente o jornalístico, se alimenta do mal.

 

Esta foto sim, tocou-me o coração. E nem a vou comentar, esta imagem diz tudo.

Fruto de uma tragédia mas é uma imagem de amor e consolo que o mundo precisa. Um exemplo para muitos lideres mundiais.

 

19149418_679477075575538_3800390340108332168_n.jpg

 

 

 

Somos Todos Pedrogão Grande

É que somos todos mesmo. Para começar a minha homenagem a todas as vitimas e famílias.

 

E quero sobretudo relembrar enquanto há ameaças que provocam tanta tragédia diária no mundo que não podem ser controladas (poder podiam mas não vamos agora falar de quem é a culpa do negócio do armamento).

 

Com tantos incêndios que temos tido nos últimos anos, já deviamos (e falo em todos nós) estar mais preparados para evitar uma tragédia desta dimensão. Por que aqui é mesmo necessário prevenir.

 

Não deitar só a culpa nos outros e relembrar o que está também nas nossas mãos fazer esta prevenção.

 

Não acender fogueiras ao ar livre

 

Se fizermos uma fogueira em local devidamente autorizado limpar a área circundante num perímetro de 5 metros, rodear o local com pedras e ter atenção à intensidade do vento.

 

Manter sempre por perto uma fonte de água caso ocorra algum imprevisto.

 

Antes de se abandonar o local certificar que apagamos bem a fogueira com terra e pedras e que não restam brasas acesas.

 

Não deitar pontas de cigarros nem fósforos para o chão. Principalmente se circularmos de carro e não tivermos noção que ficou bem apagado.

 

De preferência não fumar de todo numa zona de floresta.

 

Nunca deitar fora vidros, plásticos e papéis, para além de poluirem o local são materiais extremamente inflamáveis, no caso dos plásticos e papéis e no caso dos vidros devido ao sobreaquecimento podem despoletar um incêndio.

 

Caso se encontre alguma das situações acima mencionadas fazer os possíveis para as corrigir de forma a que se possa evitar o pior.

 

Ajudar a limpar as zonas de mato que vos rodeiam caso vivam mais perto da natureza.

 

Se detectar um incêndio, não hesitar em telefonar para a Linha de Alerta de Incêndio117 - de forma a avisar as entidades competentes. O aviso poderá ser fundamental para que acorram atempadamente ao local do fogo.

 

Vamos também ter consciência que também é dever de todos nós, também está nas nossas mãos respeitar a natureza e sobretudo prevenir incêncios e tragédias futuras,

 

Eu (Coração) Portugal - 10 de Junho

Porque somos mesmo um jardim à beira mar plantado.

 

S2000079131127.png

 

Porque somos mesmo um país de brandos costumes.

 

cap. Salgueiro Maia.jpg

 

Porque em 92.212 km² temos um oceano, praias a perder de vista, as águas frias do norte e as águas mornas do sul, serras, montes, vales, florestas, cidades maravilhosas, pequenas aldeias típicas, uma capital com uma luz que todos invejam e dois arquipélagos de encantar.

 

D21778i1.png

 

Porque podemos passar férias na praia ou férias na neve.

 

11001679_787907574589811_9034735311906853944_o-1.j

 

Porque somos um país de poetas, escritores e muitos outros artistas consagrados.

 

jose-saramago-2-l.jpg

 

 

Porque podemos dizer que conquistamos o mundo.

 

caravela_portuguesa01-720x592.jpg

 

Porque temos uma gastronomia deliciosa e o peixe e o marisco saltam praticamente do mar para a nossa mesa.

 

Pesce-Fresco-1.jpg

 

Porque temos o fado, a guitarra portuguesa e a palavra saudade que mais ninguém tem.

 

fado.jpg

 

Porque temos a lata de estar sentados com amigos numa esplanada à beira-mar, em paz a apanhar sol, a comer caracóis, a beber imperial e a refilar com isto tudo e a chorar o nosso triste fado.

 

121512933.jpg

 Foto Daqui

 

Por tudo isto e muito mais...Eu  Portugal. Eu  ser Portuguesa.

6 Tipos de Psicopatas Nas Passadeiras

Desloco-me sobretudo a pé no meu dia-a-dia e como peã profissional que sou, habituei-me, não a olhar para os carros como um todo mas, a estar sobretudo atenta aos condutores, para perceber se eles estão realmente a ver o que se passa.

 

Uma das coisas que tenho reparado nos últimos anos é um crescente desrespeito pelas passadeiras. Na maior parte das vezes se paro ao pé da passadeira, são poucos os que param de livre vontade (obviamente que se inserem nesta categoria os condutores que lêem este blog, só boa gente ), os outros só o fazem se movemos alguma parte do corpo com intenção de avançar.

 

E ao analisar os condutores tenho reparado em 4 tipos distintos com tendências assassinas, ou seja, os que não param de todo.

 

(Eu sei que também há peões que se atiram de cabeça quando estão ao pé da passadeira mas aqui vou referir-me àqueles condutores que têm tempo e obrigação de parar).

 

Os Deuses - "Peões? Simples mortais que andam a pé, o que é isso? Não sei de nada". Para este tipo, pessoas que andam a pé são invisíveis. 

 

Os fingidos - Pertencem a esta categoria os pseudo-simpáticos. Quase vos atropelam mas fazem um grande sorriso e pedem desculpas com a mão enquanto se desviam, do género: "Ups, não foi por mal, só agora vi que estavas aí".

 

Os Pseudo-Distraídos - Fingem que não viram nada. Existem três tipos distintos nesta categoria. Os que aproveitam estar ao telemóvel e continuam com o olhar em frente (cometendo assim duas infrações). Os que no momento que chegam à passadeira olham para o lado, como se o facto de não terem parado se devesse a terem visto uma coisa muito interessante no sentido oposto à passadeira exatamente naquele momento. E os que fingem não ter visto uma pessoa a andar no passeio que tem como continuação lógica uma passadeira, do género "Ias continuar em frente em direção à passadeira? Quem diria, pensei que conseguias levantar vôo" .

 

Os Matemáticos - Esta é a categoria mais recente, só dei por eles há pouco mas já passaram alguns por mim. São os mais assustadores porque aqui o peão já está em cima da passadeira. Fazem rapidamente contas de cabeça e carregam no acelerador, sabendo que àquela velocidade, vão passar exatamente na 2ª metade da passadeira enquanto o peão está a terminar a primeira metade.

 

Claro que normalmente todos eles ficam parados no sinal vermelho à frente, tipo karma, mas isso não interessa nada.

 

E já agora entre os que param, temos também dois tipos assustadores:

 

O Ameaçador - Este tipo, fica a meio caminho entre o para, não para. Ou seja, nunca para verdadeiramente o carro. Enquanto o peão está na passadeira, o carro continua a deslizar para cima da pessoa só para apressar. Ficamos a pensar que se nos desse uma sulipampa ou se tropeçássemos, seriamos sem dúvida atropelados.

 

O Malcriado - O malcriado, trava bruscamente o carro só porque tem de ser, já a passadeira vai quase a meio, e arranca fazendo fumo nos pneus assim que pode. E porque é malcriado? Porque tenho a certeza que nos "entretantos" está a pensar: Fod....**** só me faltava esta. Despacha-te lá oh filho da******.

 

Num mundo em que se assiste a tanta barbaridade e mortes sem sentido, vamos lá ao menos respeitar as passadeiras.

A Minha Avó, A Engraçadinha

Já aqui tinha falado da hiperatividade da minha avó mas não contei que deve ter sido dela que herdei a minha veia pseudo-cómica para atirar bocas parvas nos momentos mais inesperados.

 

Há uns três sábados telefonei para casa dos meus pais, foi ela que atendeu porque passa lá a maior parte dos fins-de-semana e deu-se o seguinte diálogo:

 

Eu - Estou a telefonar para dizer que estou quase despachada para o almoço.

 

Avó - Está bem, já não demoras muito é isso?

 

Eu - Sim, estive aqui a terminar umas coisas, vou agora ao banho e vou para aí.

 

Avó - Ai vais agora ao banho?! Então não te esqueças de lavar bem o pipi.

 

E enquanto eu fico assim  deste lado da linha, do outro ela

 

 

 

Pág. 1/2